Pântano do Riaño

A represa Riaño (também chamada Remolina) está localizada no leste da província de León, na rede social autónoma de Castilla y León, Espanha. Pertence à bacia do rio Duero e é alimentada pelas nascentes dos rios Esla e Yuso. Com uma capacidade de mais de 650 hectómetros cúbicos, foi criada para irrigar 84.000 hectares dos terrenos baldios da Terra de Campos em León. Desde a data do seu encerramento, a 31 de Dezembro de 1987, tem inundado a área dos vales que eram o local de povoamento de nove aldeias antigas, que deixou sob as suas águas. Os primeiros dias de Julho de 1987 não são facilmente esquecidos na província de León. Nem na consciência colectiva de uma geração de activistas ambientais. Nesse ano, um macro-projecto para a construção de um reservatório em Riaño, que já tinha sido planeado desde o início do século XX, tornou-se realidade. Por uma razão ou outra, o trabalho foi adiado. E foi o governo de Felipe González que o terminou. De uma forma deslumbrante, é claro. O reservatório fez com que nove aldeias ficassem debaixo das suas águas e os seus residentes fossem despejados à força casa por casa. A luta ecológica, ainda um principiante no nosso país, tem a sua história marcada a vermelho. Há muita coisa escrita sobre o que aconteceu naqueles dias. Desde documentários, exposições fotográficas a até um documentário chamado Mi Valle. Os testemunhos reflectem a ferida deixada nos habitantes do antigo Riaño, Burón, Anciles, Salio, Huelde, Éscaro, La Puerta, Pedrosa del Rey e Vegacerneja. Por exemplo, Begoña Liébana, uma residente da zona, disse ao El Norte de Castilla há três anos, no 30º aniversário do despejo: «Desde crianças que tínhamos ouvido falar da barragem, vimos a construção da barragem mas tivemos a sensação de que nunca viria porque foi prolongada durante décadas. Foi uma morte lenta do povo que se tem de ter vivido para o sentir. Já passaram trinta anos, mas nunca o esquecerei. O projecto provocou uma mobilização substancial em várias partes do Estado, liderada por algumas organizações ambientais activas nesses anos. E marcou-os até hoje, como alguns dos seus principais personagens afirmam ao cuartopoder. «Marcou muitas pessoas no movimento ambientalista. Marcou-me muito», diz Santiago Martín Barajas, um dos promotores da Ecologistas en Acción. «Acima de tudo, marcou-nos a nós, pessoas que na altura estavam na casa dos 20 e poucos anos. Tenha em mente que nessa idade é quando se começa a sair para o mundo. Fomos confrontados com uma injustiça implacável, uma obra tremenda que no final foi completamente inútil. Provocava danos impiedosos. Nesse sentido, a verdade é que nos marcou a todos naquela altura», acrescenta. Foto Pântano riaño

forte>Village of Riaño

Alguém me disse recentemente que Riaño é uma aldeia sem alma. Talvez permaneça sob as águas do reservatório. Deve-se lembrar que, embora Riaño não tenha desaparecido completamente, uma grande parte da aldeia obsoleta ainda está submersa. Não tinha outro antídoto senão erguer-se das cinzas e ressuscitar. Independentemente de tudo, tem atracções suficientes para dedicar uma visita em profundidade. Temos a possibilidade de começar com o Hermitage de Nuestra Señora del Rosario, ao lado do qual se encontra o chamado banco mais bonito de León. Uma reivindicação mais do que poderosa para se assustar com as opiniões que se obtêm deste ponto de vista natural. O templo foi aqui movido pedra por pedra. E é que este eremitério estava inicialmente na aldeia de La Puerta. A visita irá agora levar-nos ao longo do chamado Recorrido del Recuerdo (Rota da Lembrança). Um caminho pedestre de um quilómetro de comprimento que faz fronteira com a margem do reservatório. O bom deste caminho é que podemos ver numerosos painéis informativos com explicações e também imagens do passado deste vale antes da construção do reservatório. Aplaudo esta ideia. Parece-me muito bem sucedido. foto puebo Ruano

forte>Ermita de Quintanilla

Esta pequena beleza foi poupada por muito pouco para ser engolida pelas águas do reservatório. No entanto, por vezes há finais felizes. E a visão da bela Ermita de Quintanilla rodeada por montanhas e pelas águas do reservatório, pode muito bem ser considerada um final feliz. Ou, pelo menos, menos uma perda de património artístico. O templo fica apenas a 3 quilómetros do centro da cidade. Basta salvar o enorme viaduto sobre a barragem e seguir os avisos. Ermida de Quintana

forte> Vale dos Concilos

Esta rota que começa na aldeia de Liegos, levar-nos-á a um dos poucos vales intocados que permanecem na província de León. De Liegos, há um caminho que nos leva através do vale de San Pelayo até à aldeia de Lois, que tomaremos e após cerca de 6 km chegaremos à passagem de Anciles, o ponto mais proeminente do nosso percurso. Vamos pela pista que sai para a esquerda e depois de passarmos uma vedação, entraremos no vale de Anciles, uma área bem conservada, para a qual pedimos daqui, para proteger a área e não incomodar a fauna que habita estes lugares. Descendo por este trilho, o vale abrir-se-á à nossa direita, numa planície de pastagens e floresta, onde poderemos ver se vamos em silêncio espécies como: Veado, Cabra-montesa, Raposa, Camurça, Javali, Águia, Abutre, Perdiz… Fechando ao sul a massa das Peñas Pintas e do Pico dos Llerenes. Mais abaixo, onde o vale se estreita, voltaremos a passar a vedação e depois disto, encontraremos um riacho de água fria e cristalina, no qual encher as nossas cantinas. Depois o vale abre-se novamente com a incrível cauda do reservatório, que caminharemos ao longo da sua margem esquerda, até se juntar ao desfiladeiro de Bachende e aos maciços calcários do Pico Gilbo e do Cueto Cabrón. Valle de Anciles

forte>Lois Mountain Cathedral

. O templo chamava-se «a Catedral da Montanha» e é surpreendente chegar a Lois, num local ambiental e paisagístico da primeira ordem (rio Dueñas, no Alto Esla), e encontrar na queda da encosta com esta construção unitária de massas poderosas e volumes cúbicos que se eleva acima de toda a aldeia, em que existem também edifícios populares e certos edifícios civis de interesse, como a casa ancestral do século XVIII da família Álvarez Reyero, e outros com os seus brasões de armas nas portas e fachadas, uma vez que todos os habitantes pertenciam à nobreza. O lugar é agora mencionado na época do Repovoamento, no início do século X, e ao longo dos séculos seguintes as suas terras pertenceram aos abades de Sahagún e Eslonza. Ao longo da Idade Média pertenceu ao território de Alión e no século XII (1185) os reis de León doaram-no à Ordem de Santiago. No século XV fez parte da merindad de Valdeburón e em 1974 fundiu-se com o Crémenes. Cathedral Mountain Lois

Características da barragem

Nome: La Remolina Dam >forte>Ano de comissionamento: 1987 Género da barragem:cabóbada de dupla curvatura e contorno assimétrico >forte>Espessura na crista: 4,20 metros >forte>Altura acima das fundações: 100,6 metros >forte>Altura acima da cama: 89,91 metros >forte>Altura da cama: 1.102,60m >forte>Comprimento na crista: 337 metros>forte>Comprimento das galerias : 1328 metros >forte>Número de vertedouros: 2 >forte>Número de vertedouros: 1>forte>Altura máxima dos vertedouros: 877 metros³/s

Related Stories

Llegir més:

15 Melhores Coisas a Fazer na Eslovénia

A Eslovénia consegue colocar algumas das mais impressionantes atracções turísticas naturais da Europa no...

5 Mais belos fiordes noruegueses

Durante a era do gelo, vales profundos e entradas estreitas cheias de água do...

Como passar 2 semanas em França Exemplo de itinerário

Todos devem ir a França pelo menos uma vez na vida. Uma vez lá...

Top 10 Lugares a visitar na Bulgária

O pequeno país dos Balcãs, a Bulgária, é um dos diamantes em bruto da...

Top 10 Parques Nacionais Mais Bonitos da Tailândia

A Tailândia é uma nação com vários parques nacionais espantosos. Se visitar este país...

15 Melhores Países a Visitar na Ásia

A Ásia, o maior continente da Terra, estende-se desde as margens do Mar Mediterrâneo...